Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor
Secretaria de Estado da Justiça e de Defesa ao Consumidor

Procon Sergipe realiza fiscalização em postos de combustíveis da capital
17/12/2019

 Ação teve como objetivo analisar a qualidade e quantidade de combustíveis disponibilizados para os consumidores

 

O Procon Sergipe, a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) e o Instituto Tecnológico e de Pesquisas do Estado de Sergipe (ITPS) realizaram nesta terça-feira, 17, fiscalizações em postos de combustíveis da capital com o objetivo de analisar a qualidade e quantidade de combustíveis disponibilizados para os consumidores.

 

O ITPS e ANP realizaram análise minuciosa nos estabelecimentos comerciais com a utilização de equipamentos que fazem a aferição dos níveis dos componentes permitidos em todos os tipos de combustível. Até o final da manhã, nenhum posto havia sido flagrado com qualquer tipo de comercialização fora das normas permitidas. 

 

“Nosso papel fundamental é garantir que o consumidor esteja comprando um produto de qualidade com as especificações e quantidade corretas. Convidamos o ITPS e a ANP, sendo que o primeiro verificou a quantidade e o segundo a qualidade. Juntando essas duas informações, nós geramos um relatório para informar se os postos fiscalizados estão de acordo com as normas”, detalhou Raquel Martins, diretora estadual do Procon.

 

Durante a ação, Augusto Reis, especialista em regulação de combustíveis da ANP, explicou como é realizada a adulteração. “O normal na adulteração da gasolina comum é adulterar com etanol. A gasolina tem que ter 27% de etanol anidro, mas ela já vem assim da distribuidora para o posto. O teste é simples para confirmar se o percentual de etanol está de acordo com a legislação. Primeiro é realizada uma inspeção visual na bomba para verificar se existe algum bico queimado ou algum tipo de vazamento, depois é realizada a vazão”, mencionou.

 

 

A gerente executiva de Metrologia e Qualidade do ITPS, Maria Inêz de Almeida Machado, aproveitou a oportunidade para deixar uma dica aos consumidores. “Existe uma tolerância dentro da legislação, mas o que consta no visor tem que ser o mesmo que resulta na medida materializada de volume. Cada posto tem uma medida que é aferida pelo Inmetro, então caso o consumidor tenha dúvida basta solicitar que seja feita essa medição”, finalizou.